Total de visualizações de página

domingo, 13 de maio de 2012

Abaixo o esporte brasileiro

Declaro solenemente que bradarei contra o Brasil em quaisquer eventos esportivos que houver, rejeitando agressiva e hostilmente a alienação que idolatra supostos "heróis nacionais". Desejo que todos os esportistas brasileiros percam feio e façam feio, em todas as modalidades de todos os esportes. Não tenho nada contra eles, mas desejo-lhes a derrota, por um bem maior: mobilizações populares de proporções esportivas, mas com propósitos rigorosamente políticos. Enquanto beijamos o distintivo do time na camisa, milhões de reais são desviados, as massas (inclua-se aí a classe média alta que se supõe esclarecida) não veem nada e comemoramos nossa estupidez.

Torcer é contemplação pura e esperança de quem não age. Organizemo-nos para atuar na realidade em vez de gozar com o gol alheio a todos, inclusive ao jogador, que também é peça da engrenagem - mas peça bem remunerada, por isso menos crítica. Recusemo-nos a nos emocionar com a representação das mãos em forma de coração e usemos as mãos pra fazer as coisas - gastemos nosso tempo nos formando e nos informando, interferindo tanto quanto possível para subverter a lógica que faz de nós todos mercadorias.

Que todos os atletas tomem ciência de que são instrumentos fáceis de veiculação de propaganda; que todos os torcedores se deem conta dos vazios de suas vidas e partam para a investigação do que está por trás da indústria de entretenimento do esporte, depois de todas as indústrias do entretenimento.

(Antes que alguém retruque: este texto é favorável ao investimento no esporte nacional, sobretudo entre as classes mais exploradas, mas se opõe à histeria coletiva que obscurece a visão ampla do panorama nacional. Se você não entendeu como essas duas coisas não se excluem, é exatamente a pessoa que precisa estudar mais pra perceber a fria em que está metido).

Na hora do jogo, estudemos. Já que teremos feriados, desliguemos a TV e mergulhemos na história e nas contradições do Brasil. Quando seus colegas de trabalho comentarem a respeito da partida de ontem, diga que não acompanha mais futebol, que isso é perda de tempo, e que há outros assuntos que interessam mais. Seja o chato na hora do café e do almoço. Perca amigos por causa da imbecilidade deles: você não fará nada mais que libertar-se de gente fútil.

Parece absurdo? Pois a mim parece absurdo que seja declarado feriado nacional no dia dos jogos da seleção - quando todo mundo se arroga de afirmar que somente "a educação pode salvar este país".

Força à Argentina! Força a todos os nossos adversários históricos, sejam eles quem forem! Avante esportistas de todos os países! Abaixo o esporte brasileiro!

Acrescento ao post, em 19/05/2012


Recomendo assistir à observação de Marcelo Freixo, em 14 de maio de 2012, lá pelos 52, 53 minutos: "Qual foi o legado que os grandes investimentos do Panamericano deixaram para a população do Rio?
Nenhum."




É por isso: investir em esporte, só se for pra deixar legados sociais à população. Caso contrário, esporte é especulação, mais um forma de lucrar ou de escamotear as mazelas sociais.

Um comentário :

Alleid disse...

Pois é, concordo plenamente. Este é um país completamente desleixado. Falta comprometimento e seriedade por parte de quem o dirige. Por parte do povo, falta tudo. É uma massa de ignorantes. Essa é a grande realidade. Mas "vamos jogar bola que vai dar certo"...
Neste país, os maiores investimentos na área de educação vão para o setor tecnológico. Ninguém quer investir pesado no conhecimento humanístico. Melhor termos dinheiro (e a mente vazia). O que somos? Ah, somos a sexta ou a quinta maior potência econômica mundial! Puxa! Viva! Não sabemos escrever, não sabemos ler, não sabemos falar (até porque estamos ficando monossilábicos).
Afora isso, doamos ajuda humanitária e passamos a impressão de sermos um país limpinho e politicamente correto. Ah, somos uma democracia...claro!
Quem engana quem? Viva a ignorância!